Seja bem-vindo(a) ao Site Oficial do Santuário São Geraldo Majela         -         Itabira, Minas Gerais - 20 de julho de 2024         -         Acesse nossas redes socais

Itabira, 20 de julho de 2024

PALAVRA DO PÁROCO Pe. Ueliton Neves da Silva MÊS DE março  .  2024
TODAS AS PALAVRAS DO PÁROCO

VIVER A SEMANA SANTA COMO CRISTÃO

05/03/2024 . Palavra do Pároco

Queridos irmãos, queridas irmãs, paz e bem.

Se aproxima o momento de celebrarmos juntos a Semana Santa, principal tempo litúrgico de nossa Santa e Amada Igreja que, conduzida desde seu princípio pelo Espírito Santo, ano após ano nos permite reviver os mesmos fatos e acontecimentos da vida de Nosso Senhor Jesus Cristo.

A Liturgia da Semana Santa nos conduz ao amadurecimento da fé e a tomada de consciência de que nada somos se não crermos e adorarmos a Deus e a Ele nos entregarmos por inteiro, colocando tudo o que somos em suas Santas e Veneráveis Mãos.

Toda a História da Salvação humana se fundamenta no grande Mistério Pascal: a Paixão, a Morte, a Ressurreição e a Ascensão de Jesus Cristo, o Filho Unigênito de Deus. A centralidade da fé cristã está neste Mistério de Amor, doação e libertação que deveria fazer pulsar de amor e gratidão o nosso miserável e pequeno coração, tão pecador e desobediente.

A Semana Santa é, portanto, o tempo em que o ministério público de Jesus chega ao ápice, com seu sofrimento, crucificação, morte e ressurreição. Não permitamos que o mundo descrente nos convença de que tudo não passou de uma ilusão ou apenas uma história. Se verdadeiramente percorrermos o caminho do Mistério Pascal, do Domingo de Ramos ao Domingo da Ressurreição, com Cristo e com a Igreja, entenderemos que estes foram os dias mais sofridos de Jesus na terra.

No Domingo de Ramos, Jesus é aclamado Rei por uma multidão com ramos e folhas verdes nas mãos ao entrar em Jerusalém, não por Ele ser quem É, mas por causa da ressurreição de Lázaro. Pensemos: quantas vezes, aclamamos Jesus como o Nosso Senhor, não pela fé, mas apenas por interesse pessoal e, logo, indiferentes, nos afastamos Dele. Peçamos perdão por isso.

Na Segunda, Terça e Quarta-feira, a Liturgia narra os acontecimentos que antecedem a prisão de Jesus, seus ensinamentos e conselhos. Somos questionados a pensar em nossas ações diante das propostas de Cristo. Temos uma fé firme, somos zelosos e fiéis ou negociamos nossa crença, duvidamos dos feitos de Jesus, nos calamos diante daqueles que O negam, traindo o nosso compromisso de defender a fé, custe o que custar? Quantas vezes nos calamos diante daqueles que ofendem a Igreja, denigrem Jesus e desmerecem os sacerdotes, bispos e até o Papa?

Na Quinta-feira Santa tem início o Tríduo Pascal, uma grande celebração que terá seu final na Vigília, no Sábado Santo. A riqueza litúrgica da Quinta-feira Santa nos coloca diante dos olhos e do coração o Cristo que, por amor a nós, mesmo sabendo que seria morto por nossos pecados, deseja ardentemente nos salvar da escuridão eterna e permanecer conosco até o fim! Jesus, naquela longínqua Quinta-feira Santa celebrou a primeira missa da história. Reuniu-se com aqueles que escolhera e lhes lava os pés, banhando-os na sua misericórdia e perdão; diante deles, Jesus realiza o milagre e o mistério da transubstanciação do pão e do vinho, e os ordena como os primeiros sacerdotes da história da Igreja, ao pedir que façam o mesmo, dali em diante, em Sua Memória.

Naquela ceia nascem os sacramentos da Eucaristia e da Ordem. Assim, verdadeiramente, quer se creia ou não, Jesus está presente por inteiro em Corpo, Sangue, Alma e Divindade, indiviso, na Santíssima Eucaristia, em cada fragmento Dela e em cada gota de seu Sangue Divino, através das mãos sacerdotais, pelo poder do Espírito Santo.

Agradeçamos, valorizemos e rezemos por todos os Sacerdotes que nos trazem Jesus Eucarístico. Terminada a Ceia Eucarística, a Igreja se coloca em Vigília e Adoração. O silêncio e o respeito, acompanhados pelo jejum, pela oração e pela participação nas celebrações da Sexta-feira Santa devem ser vividos por todos os cristãos. Jesus é preso, flagelado, crucificado e morto. Por mim, por você, por todos. Seu corpo disforme, pende no Madeiro, sem vida, à vista de tantos. Descido da Cruz, tomado uma última vez pelos braços de sua Mãe, é levado ao Sepulcro.

Irmãos e irmãs, viver a Semana Santa como cristãos de verdade é dar testemunho da pertença a Igreja de Cristo, é valorizar o que temos de mais sublime nesse mundo: um Salvador, que nos deu a vitória às custas de seu próprio Sangue. Semana Santa não é apenas mais uma data no calendário, é momento de oração, participação e gratidão. Não sejamos como aquela multidão que aclamou Jesus como Rei e dias depois, gritou: crucifica-O. Como a Virgem Dolorosa, permaneçamos com Jesus no sofrimento e na dor, para juntos tomarmos posse da Vitória da Páscoa!

Itabira, 05 de março de 2024.

Pe. Ueliton Neves da Silva | Pároco